VOLTAR

SOBRE

Há demasiadas almas de madeira para que não se amem as personagens de madeira que têm uma alma.
- Jean Cocteau

 

A Tarumba - Teatro de Marionetas

 

Tarumba significa atarantar, estontear, atordoar, maravilhar... palavras que exprimem o sentimento geral da Companhia em relação à arte das marionetas.

 

A estrutura profissional A Tarumba -Teatro de Marionetas, com direção artística de Luís Vieira e Rute Ribeiro, foi criada em 1993 por um conjunto de pessoas ligadas a diversas áreas artísticas, Teatro, Cinema, Escultura e à História de Arte, que tinham em comum o amor pela arte das marionetas, bem como a profunda noção da sua necessidade de revitalização no nosso País.

 

O desenvolvimento de um trabalho de grande qualidade técnica e artística, bem como de uma constante inovação no campo do Teatro de Marionetas em Portugal, constitui um dos aspetos que profissionalmente tem caracterizado a sua atividade.

O projeto artístico da Tarumba contempla as seguintes vertentes:


-Difusão – programação e produção anual do FIMFA Lx - Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas;
-Criação e experimentação artística - espetáculos criados ou coproduzidos pela companhia;
-Formação e investigação - projetos desenvolvidos no CAMa - Centro de Artes da Marioneta, espaço de residência da companhia, que integra o seu espólio teatral, bibliográfico e iconográfico, com um centro de documentação sobre o teatro de marionetas, com base de dados online.

 

É neste contexto que a estrutura desenvolve um conjunto de iniciativas que ajudam a procurar novas relações entre a criação artística e o público, partindo do cruzamento de várias linguagens, como o vídeo, as marionetas, o teatro, as artes plásticas, a dança, ou seja, a partir da linguagem da marioneta contemporânea.

 

O FIMFA Lx - Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas foi galardoado com o Prémio da Crítica 2010, pela Associação Portuguesa de Críticos de Teatro. Em 2013 a direção artística da Tarumba recebeu o Prémio Personalidade 2013, inserido no Prémio Nacional Multimédia, atribuído pela Associação Multimédia (APMP), pelo trabalho desenvolvido no âmbito do FIMFA.

 

No campo da criação e experimentação artística, os espetáculos produzidos refletem o intuito de serem dirigidos maioritariamente ao público adulto, privilegiando as formas contemporâneas e a pesquisa em torno do Teatro de Marionetas. Foram encenadas peças como Dr. Faustus de Christopher Marlowe, Amor de D. Perlimplín com Belisa no seu Jardim de Federico García Lorca, A Tempestade e Sonho de uma Noite de Verão de William Shakespeare, Mahagonny de Bertolt Brecht, Mironescópio: A Máquina do Amor de Rute Ribeiro, Este não é Nariz de Gógol, mas podia ser... com um toque de Jacques Prévert, entre outras.

 

As qualidades técnicas e artísticas do projeto têm sido admiradas, não só em Portugal, mas também em países como França, Espanha, Reino Unido, Dinamarca, Argentina, Brasil, República Checa, Eslovénia, Eslováquia, Índia, Paquistão, Hungria ou Turquia. No World Festival of Puppet Art (Praga), a companhia obteve o Prémio de Melhor Dramaturgia, e a nomeação para o prémio de melhor manipulação. Em 2013 o espetáculo Mironescópio foi apresentado na secção IN do Festival Mondial des Théâtres de Marionnettes de Charleville-Mézières, em França.

 

Desde a sua formação um longo caminho foi percorrido com objetivos muito específicos: captação de audiências implementando o gosto pelo teatro, nomeadamente o teatro de marionetas; adaptação de clássicos como forma de captar o gosto pela leitura e revelar textos de grandes dramaturgos; chegar com os seus espetáculos junto de populações socioculturalmente desfavorecidas; itinerância nacional e internacional.

 

A Tarumba realiza desde a sua formação ateliês experimentais em torno das artes da marioneta e das formas animadas, dirigidos especificamente a formadores, profissionais do espetáculo ou ao público infantil, salientando-se os workshops de Teatros de Papel realizados em Instituições como a Fundação Calouste Gulbenkian, o Centro de Pedagogia Infantil do Centro Cultural de Belém, e em diversas Escolas e Bibliotecas. Trabalho realizado em Portugal e internacionalmente.

 

O CAMa - Centro de Artes da Marioneta é o espaço de residência da companhia e um centro de desenvolvimento de projetos, onde se integra o Projeto Funicular, um programa de formação composto por workshops internacionais que reúne diversas disciplinas artísticas, permitindo o encontro da marioneta com as outras artes.

 

Ao longo destes 25 anos de atividade, a Tarumba criou um acervo artístico importante. O seu espólio, constituído por marionetas da companhia, marionetas “históricas”, teatros de papel (originais do século XIX e princípios do século XX), livros sobre teatro, especialmente sobre teatro de marionetas, fotografias, programas e cartazes, está presente no CAMa.